Há algum tempo, o consumo da moda já vem com a chancela de que é preciso se vestir de acordo com o estilo pessoal de cada um, sendo inclusive, desaconselhável seguir os antigos padrões rígidos da moda.

Reaproveitar o que já existe, rever o guarda-roupas, reinventar peças afetivas são movimentos atuantes e que cada vez mais ganham espaço junto aos consumidores.

Mas e agora, em tempos de coronavírus, quando os badalados desfiles de Paris estavam sem a tradicional disputa pela primeira fila, o que vai ser da moda? O que a nova estação irá oferecer para vestir?

De acordo com Paulo Alexandre, sócio-fundador da Arranjos Express, franquia especializada em serviços de costura, o reaproveitamento das peças será cada vez mais forte e significativo junto ao público. “Nossa equipe de costureiras cada vez mais se especializa em adequar peças desgastadas, antigas, largas ou apertadas a estampas antigas que estão cada vez mais na moda”, afirma.

A equipe da Arranjos Express é muito atenta às tendências apresentadas nas passarelas internacionais. “Estamos vendo os anos 70 de volta, com muito xadrez, veludo cotelê e a calça famosa calça de boca larga, e toda a equipe já está pronta para realizar essas adequações”, diz Alexandre.

E esse movimento de reaproveitamente tem sido tão intenso, mesmo com a indústria da moda movimentando milhares de dólares pelo mundo, que Alexandre vê sua ideia de franquia atravessar os continentes. “Após essa pandemia, acredito que os países vão retomar seus crescimentos e o plano de internacionalização volta seu foco para expansão na Austrália, Canadá, Colômbia, China e Uruguai”, explica.

“O franchising é uma das melhores ferramentas de investimento”, diz Alexandre. O modelo de negócio chega pronto e tem todo o apoio da franquia para crescer em qualquer lugar do mundo que vá se instalar. Mas é importante ressaltar que a franquia sempre está atenta a informar corretamente todos os caminhos que a moda oferece de sustentabilidade, já que este é um dos pilares mais fortes da Arranjos Express. E, depois dessa pandemia que assusta a todos e que até levou para as passarelas francesas modelos usando máscaras, o reaproveitamento de tudo o que está no guarda-roupas será uma máxima para todos os consumidores.

 

  • Compartilhe